Ree Soesbee e a Cinematic inicial dos Sylvari

Continuando o ultimo post de Ree Soesbee, ela agora nós trás o que ela esperava durante a criação das cinematics. Além disso ela nos tras também a cinematic inicial dos sylvari!

Edit: post sobre os asurapost sobre humans, norn e charr

Mesmo eu estando diretamente envolvida na criação das ideias para as cinematics de introdução as raças, eu sempre tive pressa para velas sendo feitas pelo nosso incrível time de artistas. Eu me senti abrindo um presente de aniversario toda a vez.

“As Cinematics estão prontas!” o Time das Cinematics iria dizer, e todos nós correríamos e nos debateríamos para vê-las rodarem no computador de um dos artistas (Jeff Grubb vai rejeitar a palavra ‘debater’, mas mesmo ele estava sorrindo como um maníaco quando ele viu a abertura dos asura). Para nós, estas cinematics representam o nascimento de cada raça; o primeiro investimento emocional do jogador no universo do game.

Sylvari

Porém, para os sylvari, a cinematic de abertura era ainda mais importante. Nós nunca estabelecemos os sylvari antes, e os jogadores não tinham nenhuma história com eles antes no universo de Guild Wars. Mas ainda mais desafiante que isso foi que, nós tínhamos uma grande oportunidade de estabelecer da experiência dos sylvari que é essencial para entender a sua raça – o Dream of Dreams (o sonho dos sonhos). Pelos sylvari acordarem como indivíduos totalmente crescidos, nós escolhemos que o tutorial acontecesse dentro do sonho, e queríamos que a cinematic refletisse isso. É informativo, mas também tem um ar místico, um senso de imaginação mais do que um de realidade concreta.

Nós precisávamos mostrar a mente dos sylvari, mas também como eles são, como eles se referem a Tyria, e que tipo de objetivos eles cumprem na historia do mundo. Adiciona a isso a necessidade de representar as escolhas biográficas, introduzir o personagem ícone Caithe, e definir a atitude dos sylvari e seu “sentimento”.


EmaildiHITTTumblrFacebookOrkutGoogle GmailGoogle ReaderWordPressShare